Instituto Indianópolis

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eismod colore yes www.indianopolis.com.br

José Wilker leva Rain Man para o teatro

Segundo Wilker: Quem procurar o filme no espetáculo vai fazer mau uso do próprio tempo. É uma outra linguagem.

27/05/2013 - RELEASES
O que faz "Rain Man" inspirar montagens teatrais em diversos países cerca de 25 anos depois de seu lançamento nas telas de cinema? Não é o vanguardismo da dramaturgia.

O texto do norte-americano Dan Gordon que deu origem ao clássico cinematográfico dos anos 1980, imortalizado pelas atuações de Dustin Hoffman e Tom Cruise, segue uma estrutura bastante convencional.

A resposta também não é o aspecto experimental de sua forma. Como aconteceu há pouco em países como Irlanda, México, Inglaterra, Austrália e Argentina, que abrigaram montagens recentes da obra, a versão brasileira de "Rain Man", cuja estreia nacional ocorreu na última sexta-feira (5), é realista, se concentrando no texto e na interpretação dos atores.

Obviamente o sucesso teatral de "Rain Man" também não se explica pelo frescor do enredo. Afinal, quem consegue esquecer a história de Charlie Babbitt (Rafael Infante), vendedor de automóveis egocêntrico que se vê obrigado a se relacionar com Raymond (Marcelo Serrado), irmão autista cuja existência ele desconhecia, e no processo acaba se deparando com uma via de acesso às suas próprias emoções?

A resposta mais plausível para explicar as montagens recentes de "Rain Man" pelo mundo é a humanidade da obra.

Segundo José Wilker, encenador da montagem nacional, o ser humano nunca esteve ao mesmo tempo tão rodeado de gente e tão solitário. "As pessoas vivem confinadas em ilhas. Possuem uma quantidade impressionante de equipamentos tecnológicos para facilitar a comunicação, mas jamais estiveram tão isoladas", afirma o diretor.

Para Wilker, sua montagem de "Rain Man" pode fazer o público repensar o modo de se relacionar.

"Embora fale de autismo, a peça discute sobretudo os caminhos tortuosos que o afeto percorre até se realizar como tal", diz ele, que, para a montagem, não quis rever o longa dirigido por Barry Levinson e vencedor de quatro Oscar.

"Quem procurar o filme no espetáculo vai fazer mau uso do próprio tempo. É uma outra linguagem."

A encenação é norteada pelo conceito de essencialidade. O encenador se vale somente da interpretação dos atores e de alguns poucos elementos de cena para sugerir quase duas dezenas de locais onde a peça se desenrola.

A montagem também opta por iluminar as diferenças dos protagonistas. Enquanto Raymond é movido pelas emoções, Charlie parece ter um coração de pedra.

Ele se envolve inicialmente com o irmão apenas por interesse. Tira-o do hospital psiquiátrico com a ambição de que a convivência entre eles o faça abocanhar metade dos US$ 7 milhões de herança deixados para Raymond pelo pai.

O encontro é transformador para ambos. Charlie revê valores, entrando em contato com seus sentimentos. Raymond, por sua vez, passa a se relacionar com o mundo ao seu redor.

"Eles são como dois casulos que vão se abrindo", sintetiza Roberto Lobo, que integra o elenco com Fernanda Paes Leme e outros quatro atores.

Rain Man
Quando sexta, às 21h30, sábado, às 21h e domingo, às 18h; até 2/6
Onde Teatro Vivo (Avenida Chucri Zaidan, 860; tel. 0/xx/11/7420-1520)
Quanto sexta e domingo, R$ 50; sábado, R$ 70
Classificação 14 anos


Notícias relacionadas

Todas as notícias

ENCAMINHE ESSA NOTÍCIA POR EMAIL

Formulário encaminhar notícia

COMPARTILHE NAS REDES SOCIAIS